Depois de um bom tempo sem escrever essa coluna onde podemos refletir sobre alguns assuntos, voltamos com o “Precisamos falar“. Se perdeu alguma outra matéria anterior do gênero, basta clicar aqui.

O tema que a gente precisa analisar desta vez é como o ritmo reggaeton, depois de anos de censura e marginalização das classes baixas de Porto Rico, tem crescido e se tornado popular em todos os lados.

Bom, para quem está por fora, embora seja muito difícil, é necessário que eu faça essa apresentação. O reggaeton é um estilo musical que tem suas raízes na música latina e caribenha. Derivada do reggae em espanhol do Panamá, ela possui muita influencia do hip hop, salsa e música eletrônica. Nascido no Panamá, esse gênero ganhou primeiramente a popularidade em Porto Rico e nos últimos meses tem se espalhado para o mundo.

A pesquisadora de comunicação Michelle Rivera da Universidade de Michigan, em uma entrevista relatou que o ritmo se beneficiou de uma população ansiosa para substituir sua história violenta por uma história mais positiva. E é exatamente assim, é bem difícil ir a uma festa hoje e não se render as batidas do ritmo.

As letras, que muitas vezes são criticadas pelo conteúdo de repulsa, desprezo ou ódio contra as mulheres, precisam de uma analise mais profunda, pois não se trata disso. Para quem é mais leigo, acredita que o gênero se resume apenas neste tema, mas isso como qualquer outro estilo de música, dependerá do interprete querer seguir ou não este segmento polêmico, mas vamos deixar isso para um outro momento. Um sucesso recente que podemos usar de que o ritmo não é apenas a desvalorização da mulher, é o hit Loca, que é cantado por uma, no caso a Maite Perroni, com colaboração da Dupla Cali & Dandee.

O single levou a artista a outro patamar, contando desde as posições em charts mundiais e seu excelente desempenho de visualizações no Youtube.

Agora convenhamos que fica difícil falar de reggaeton e não mencionar o maior sucesso do ano, o single Despacito de Luis Fonsi. O cantor porto-riquenho acertou em cheio ao se arriscar neste ritmo, pois até então, o artista investia mais em Zouk, porém após a mudança, e sua parceria com Daddy Yankee,  que é um grande cantor e rapper de reggaeton, sua vida teve um grande divisor de águas.

Despacito simplesmente superou Sorry, de Justin Bieber, que logo depois gravou com Luis Fonsi uma nova versão do single, e também se tornou a música com maior número de streamings, com 4,6 bilhões de plays, segundo a gravadora Universal Music.

A batida tem contagiado a todos, inclusive cantores brasileiros. Anitta é um exemplo disso, pois começou apostando em Ginza, uma parceria no álbum do colombiano J. Balvin, e depois lançando Sim ou não, com Maluma.

Simone & Simaria, que também já tinham intenção em fazer algo com sonoridade latina, trouxeram Loka, e chamaram Anitta para enlouquecerem juntas. Outros brasileiros que já mesclaram seu ritmo com reggaeton foram Claudinha Leitte com “Corazón“, Nego do Borel com “Você partiu meu coração“, e Luan Santana com “Vamos acordar este prédio“, entre outros.

Não temos mais que discutir, definitivamente o reggaeton conquistou a todos, e nós brasileiros já estamos super familiarizados, tanto que recentemente  o ritmo tomou conta de um dos concursos de beleza mais importante do país. No Miss Rio Grande do Sul 2017, a miss Juliana Mueller desfilou em seu traje de banho com a música “Chantaje” da cantora Shakira em parceria com Maluma, além disso, o hit Despacito não ficou de fora do evento.

E para quem acredita que reggaeton se limita aos latinos se engana, pois um dos seus maiores representantes do gênero é um americano. Trata-se de Nick Jam, que talvez seja um dos primeiros de sua nacionalidade a cantar esse ritmo. O cantor chegou a ter uma dupla com Daddy Yankee, mas os artistas se separaram em 2004. Atualmente morando em Medellín, na Colômbia, é um dos nomes mais fortes do ramo.

Obviamente o reggeaton é recheado de representantes e ficaria uma lista imensa se a gente fosse mencionar cada um, por isso, para quem quer se aprofundar nessa batida latina, recomendamos essa lista do Spotify que está incrível. Outro conselho é seguir o @ReggaetonBR que sempre traz um conteúdo bacana.