Precisamos falar sobre “11:11”, o novo álbum do Maluma

Nesta sexta-feira (17) a Sony Music Latin lançou o quarto álbum de estúdio do cantor Maluma intitulado de “11:11”. O projeto fonográfico fica disponível exatamente faltando um dia para completar um ano do lançamento de seu antecessor, ‘F.A.M.E’.

No dia 28 de abril deste ano, o primeiro single, “HP“, foi lançado digitalmente em lojas de música e serviços de streaming, além de ganhar um videoclipe que rapidamente conseguiu milhares de visualizações. Neste momento o colombiano já fazia um “esquenta” do que estava preparando para os fãs.

Com uma letra ousada, como é de costume do cantor, as batidas do reggaetón que bem conhecemos soa forte, principalmente no refrão.

O álbum “11:11” já abre com a faixa título, onde o interprete faz uma proposta para a amada, que ainda chora por conta do término da relação anterior. O ritmo é um pouco mais diferenciado, romântico, e não desrespeita a mulher como muitas vezes o cantor já fez.

O single ganhou um videoclipe nesta madrugada de lançamento do álbum, e em menos de 6 horas já ultrapassava meio milhão de visualizações no Youtube.

O projeto traz grandes colaborações, e a primeira que podemos ouvir é com Rick Martin na faixa ‘No se me quita’, que particularmente falando, é uma das que mais me agrada. A letra gruda fácil na cabeça e o ritmo é envolvente. Na sequência temos um segundo feat, que traz Ozuna na música ‘Dispuesto‘. Esta faixa já é mais genérica, não há muita novidade, o refrão tem rimas em excesso, o que acaba empobrecendo a música.

Por falar em genérico, isso não quer dizer necessariamente que seja algo ruim, pois o público do Maluma ama o bom e velho reggaetón presente nas músicas do colombiano, e aqui temos alguns exemplos que merecem ser enaltecidos, como por exemplo as faixas ‘No puedo olvidarte’, que traz a colaboração de Nick Jam, que convenhamos, há uma sonoridade que é uma maravilha de se ouvir, e a “Me enamoré de Ti”, que começa com uma introdução diferente e tecnológica, mas que explode no refrão, assim como a “Extrañandote“.

“Shhh (Calla)” causa uma certa estranheza no começo com o som abafado, mas ela vai tomando formula e se normaliza, e quando isso acontece, já estamos familiarizados se jogando, principalmente no refrão repetitivo. Infelizmente, mesmo com toda essa positividade, ela não é tão forte como as anteriores, e logo quando a música termina, a gente já esqueceu que ouviu.

As faixas que seguem uma linha mais diferente do que foram apresentadas até aqui do álbum são ‘Dinero Tiene Cualquiera“, “Te Quiero” e “Tu Vecina“, e eu posso explicar. Não é que o colombiano nunca tenha cantado nada neste estilo, mas são sons em que ele não investe tanto, por exemplo, ‘Dinero Tiene Cualquiera’ começa com sons de piano, que depois ganha alguns acordes de violão, deixando o estilo mais  lento e romântico. Infelizmente Maluma canta poucas músicas com esse segmento, e olha que sua voz é bem mais valorizada neste estilo.

Já “Te Quiero” e “Tu Vecina” seguem a pegada da salsa e merengue. Os trompetes se fazem presentes, o refrão é fácil, repetitivo e maravilhoso, digamos que aquele estereótipo de ‘música latina raíz’, sabe?

Bom, uma das faixas mais aguardadas pelos fãs, e também para curiosos de plantão, é a outra colaboração que tinha pendência com a rainha do pop Madonna. Intitulada como “Soltera“, ela é a música mais agitada do álbum, trazendo aquele pop internacional que já conhecemos, e é bem provável que agrade bastante o público dos dois.

Mesmo “11:11” trazendo 50% do mesmo, é notável uma leve evolução do cantor, tendo este álbum s superior superior ao do ano passado. O garoto que começou cantando em reuniões familiares definitivamente se converteu em um artista de sucesso, e agora toda sua história estará documentada.  Intitulada de “Lo Que Era, Lo Que Soy, Lo Que Seré”, será um filme resultado de um contrato do cantor com o Youtube. A produção tratará a infância humilde do astro na Colômbia e sua evolução até se tornar  uma estrela mundial. O documentário estará disponível no próximo dia 6 de junho

Ouça agora “11:11” e compartilhe com a gente qual é a sua faixa favorita.

 

Observação: A opinião é de total responsabilidade do redator e não do portal.

LEIA MAIS CRÍTICAS MUSICAIS:

Fantasía – Sebastian Yatra | DM – Dulce Maria | Vida – Luis Fonsi | Quiero Volver – Tini Stoessel | Bum Bum Dale Dale – Maite Perroni | Mantra – Sebastian Yatra | Reggaetón | Loca – Maite Perroni

 

Comente quais álbuns ou música gostaria de ver na coluna ‘Precisamos falar sobre’, e porque.

 

Avatar

Formado em jornalismo, amante de séries e filmes. Ouvinte de música latina e sertaneja. Pacífico e observador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *