Vinte e nove de junho, dia do dublador, ou como Duio Botta nos contou que prefere ser chamado: ator de dublagem.

Duio Botta é a pessoa por trás da voz de vários personagens das novelas mexicanas que nós tanto amamos. É a voz dele que escutamos quando assistimos em português, o Carlos, personagem do Horacio Pancheri, sofrer pela Fernanda (Paulina Goto), em Um Caminho Para O Destino, e será a voz dele que ouviremos quando estrear Que Pobres Tão Ricos, no personagem Diego Armando (José Eduardo Derbez).

O agora platinado, começou a carreira na música e esse é o seu grande amor, mas a atuação e a dublagem completam o amor pela arte que correm em suas veias.

Conversamos com ele que queria ter dublado o Miguel, personagem do Alfonso Herrera em Rebelde, e que se arrepende de alguns passos profissionais da vida, além de sonhar com ir ao México conversar com o Horacio Pancheri (gente como a gente, não é?) e com um carisma tão grande quanto o seu talento que é gigante e versátil.

Duio Botta nos explicou que o programa a ser dublado (série, filme, desenho, novela, etc…) é enviado para os estúdios de dublagem e que lá o tradutor assiste o vídeo e traduz o roteiro para outro idioma.

Depois disso, ele é dividido em trechos de 20 segundos, intitulados loops, e que só a partir disso é possível saber qual será a participação de cada dublador, que só sabe o texto no dia da gravação, sendo que cada profissional grava, em média, trinta loops em uma hora.

Os diretores de dublagem do estúdio responsável escolhem os atores de dublagem por meio de testes realizados em conjunto com o canal onde será transmitido, no caso das novelas mexicanas, quase sempre, o SBT, e que, em alguns casos, alguns atores têm sempre o mesmo dublador.

“No processo de gravação, o dublador assiste às cenas no monitor, ouve o áudio original e, em seguida, grava as falas do seu personagem. O diretor coordena o processo, enquanto o operador capta o som e solta as cenas a serem dubladas. Hoje, com os recursos tecnológicos, dá para esticar ou encurtar a fala de um ator para fazê-la caber na fala do personagem”

Amigo, amiguinho… 😏

A post shared by Duio Botta (@duiobotta) on

Confira a entrevista na íntegra:

Latinos Brasil: Como foi que você começou a dublar?

Duio Botta: Comecei a trabalhar na administração da Rio Sound em 2014. Até então nunca havia tido contato com esse mundo. Eu já era ator, já havia feito alguns trabalhos na televisão, na música e tendo contato com esse novo universo, me apaixonei pela arte, pelos profissionais e iniciei o curso de dublagem.

Qual foi seu primeiro personagem?

O primeiro eu prefiro não me arriscar a revelar por vergonha pois ficou HORRÍVEL, então esse não conta, hehe. Eu, então “comecei” com o Garibaldo na novela A Gata.

E a primeira novela mexicana?

Comecei fazendo pequenas participações na novela Sortilégio.

E tem um personagem de novela mexicana que você mais gostou de dublar?

O que mais gostei foi o Vladimir de Amanhã É Para Sempre. Um personagem desafiador. Completamente fora da minha zona de conforto.

Tem um personagem de novela você gostaria de ter dublado?

Adoraria ter dublado o Miguel de Rebelde.

Se arrepende de ter dado voz à algum personagem?

Sim, não posso revelar para não matar minha mãe de vergonha.

Qual a parte mais difícil da dublagem?

Acho que é encontrar o tom do personagem, para que pareça natural.

E a mais fácil?

Não tem parte fácil, é um desafio trabalhar com dublagem.

Agora falando sobre Diego Armando, personagem de Que Pobres Tão Ricos que você dará voz, como foi dublar esse personagem? 

Ainda estou dublando e apesar de ser um personagem pequeno, é muito importante ver a história, a projeção dos sonhos que o pai faz em cima dele, o fato esconder a sexualidade e ir desabrochando ao longo da história.

Podemos esperar muito drama mexicano por parte do Diego? Ou ele é mais da comédia, como será?

É um drama mascarado de comédia, acho que muitos garotos vão se identificar.

Tem alguma história engraçada para compartilhar com a gente de quando estava dublando algum personagem de novela mexicana?

É uma diversão, as vezes tem algumas cenas que nós mesmos não acreditamos que foram feitas. Como por exemplo, a briga do Carlos de Um caminho para o destino teve com o Luis Monteiro, foi uma cena surreal, engraçada pra dizer a verdade.

Você acaba tendo algum contato com os atores que você dubla, ou é só dublagem mesmo?

Ainda não tive o prazer de conhecer nenhum deles, mas pretendo visitar o México em breve e quem sabe bater um papo com o Horácio Pancheri.

E dá tempo acompanhar as novelas para as quais dubla personagens?

Eu acabo não conseguindo acompanhar na TV, mas acompanho durante a dublagem. Amo demais.

Você dubla novelas mexicanas, mas também dubla personagens de língua inglesa, é mais difícil que em espanhol? Qual a diferença? 

É mais difícil dublar o espanhol por conta da proximidade da língua, as embocaduras, o idioma espanhol é muito articulado, diferente do inglês, a embocadura é muito pequena, tudo cabe no inglês.

Muita gente não sabe, mas para ser dublador, você tem que ser ator também, correto? E você atuou na novela Êta Mundo Bom, da TV Globo. Como é estar de frente às câmeras e não só sua voz? É mais fácil ou mais difícil?

Tem que ser ator sim, aprendemos a interpretar no teatro. Fazer Êta Mundo Bom foi um presentão do diretor Diego Morais, da produtora de elenco Yolanda Rodrigues e do autor Walcyr Carrasco. Eu amei fazer parte da produção. Eu acho mais fácil atuar como ator em frente às câmeras porque ali você já sabe o que fazer, as reações, as pausas, as falas, todas as intenções. Na dublagem, temos pouco tempo para perceber tudo isso num outro ator, em algo já pronto. Não dá pra criar muito em cima.

E assim encerramos Herança de Ódio. Corre lá no Gshow para assistir #gratidão

A post shared by Duio Botta (@duiobotta) on

Você prefere atuar ou dublar?

Eu prefiro cantar, hehe. É o que mais amo. Atuar e dublar complementam esse amor.

E foi na música que você começou, né? Qual a sua relação com ela? 

Sim, eu amo a música, escrever, gravar minhas próprias canções. Eu acho que em minhas veias correm notas musicais.

Ainda falando de música, você participou do programa Ídolos, do SBT, correto? Como foi participar?

Foi sim, em 2006 no SBT, mas não tive grande destaque. O maior destaque foi nos Jovens Talentos em 2010 e no Programa Raul Gil no SBT. Já viram que a minha relação com o SBT segue firme né. Já são 12 anos de namoro. Adoraria fazer uma novela no canal. (Queremos!)

E foi parte da trilha sonora da novela Revelação, certo? Como foi essa participação?

Amnésia, foi meu primeiro single em 2008 e fez parte da trilha sonora da novela Revelação, a primeira novela que a Iris Abravanel escreveu. Foi uma delícia, uma grande oportunidade. A música está disponível nos app’s Spotify, Deezer, ITunes e Music Play.

E voltando a dublagem, o que diria para quem quer ser dublador? Qual seu conselho?

Estudar teatro. Eu vejo muita gente tentando a dublagem sem fazer teatro e não digo que é impossível, mas o caminho será bem mais longo e difícil. O processo inverso sempre é mais difícil. A dublagem é uma técnica para atores.

Uma pergunta um pouco complicada, mas diferente das de sempre. Tem alguma pergunta que nunca te fizeram e você gostaria de aproveitar este momento para desabafar e responder?

Eu gostaria apenas de agradecer pelas oportunidades, carinho e respeito que recebo sempre das pessoas que convivo e também das que me acompanham nas redes sociais. Gostaria de estar mais presente para minha família e meus amigos. Os amo. Mas tem uma pergunta que ninguém nunca me faz: “Você está bem?” e eu só gostaria de responder que: “Sim, estou muito bem.” Parece papo de louco, mas as pessoas deixaram de se preocupar umas com as outras. Apenas vivem em seus umbigos.

E qual pergunta você já está cansado de responder? rs

“Você dubla alguém famoso?” Essa pergunta eu respondo sempre com outra: O que é ser famoso pra você? E depois complemento que dublo atores famosos lá do México. As pessoas sempre esperam ouvir os mesmos nomes, Brad Pitt, Tom Cruise, Leonardo DiCaprio, etc. Então não é uma pergunta que faça sentido pra mim. Louco né? (A gente te entende, Duio!)

Pingue-Pongue:

Música: Veias
Dublagem: Tom
Atuação: Teatro
Uma atriz: Rosane Gofman
Um ator: Cláudio Tovar
Uma série: Gran Hotel
Uma novela: Êta Mundo Bom
Uma música: Antologia
Um cantor/cantora/banda/dupla: Shakira

Arquivo Pessoal

Acompanhe o Duio Botta nas redes sociais: